Tag Archive: competitividade


Navios já esperam 13 dias para atracar

Valor Econômico – 19/12/2011

Os navios de contêineres desperdiçaram, no ano passado, 72.400 horas esperando para atracar nos 17 principais terminais portuários do país, o que dá mais de 3 mil dias, uma conta que chegou, apenas entre janeiro e setembro de 2010, a R$ 246 milhões. Os navios esperam até 13 dias para poder atracar, porque faltam berços, os espaços destinados a eles nos cais, segundo Carlos Campos, coordenador de infraestrutura econômica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Por isso, forma-se um congestionamento de embarcações na baía, à espera de autorização para atracar, ao custo de R$ 60 mil a R$ 70 mil por dia. Quando conseguem atracar, não podem sair totalmente carregadas, na maioria das vezes, por questão de calado. Continue lendo

Anúncios

Valor Econômico – 22/11/2011

O Brasil pode dobrar a sua produção de grãos nos próximos anos, como fez na década anterior, e superar a marca das 300 milhões de toneladas em 2020. Dispõe de área, água, clima e tecnologia adequados para até ir além dessa marca, segundo a maioria dos especialistas. Mas o produto que é extraído da terra continuará enfrentando gargalos da infraestrutura precária, estrutura tributária inadequada e, entre outros, burocracia na concessão de crédito, caso não haja vontade e força política para mudar essa realidade. Continue lendo

Agência Brasil – 27/10 /2011

Mais da metade das rodovias brasileiras pavimentadas apresentam problemas, segundo a 15ª pesquisa de rodovias divulgada nesta quarta (26) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). Foram avaliados 92.747 quilômetros (km) de rodovias. Destes, 53.226 km, o que corresponde a 57,4% do total, apresentaram “algum tipo de deficiência”. De acordo com a pesquisa, 24.899 km “estão em situação crítica”. Isso corresponde a 26,9%. Continue lendo

Gazeta do Povo – 12/04/2010

O custo do transporte por caminhões de Cascavel, no Oeste do PR, a Paranaguá representa 16% do preço da tonelada da soja, de US$ 350, vendida pela Coopa­­vel, uma da principais cooperativas do estado. Em países como Estados Unidos e Argentina o custo médio do transporte é de 10%. “Hoje não usamos ferrovia porque ela é lenta e tem problemas. Se funcionasse de maneira adequada e tivesse velocidade, esse custo poderia cair a 10%”, diz Dilvo Grolli, presidente da cooperativa. Mas esses não são os únicos problemas dos produtores da região. Também faltam armazéns para estocar a produção recorde. A Coopavel deve receber dos cooperados esse ano 800 mil toneladas de grãos – entre milho, soja e trigo. Somente a soja terá um aumento da produção de 40%. “Já tínhamos um déficit de armazenagem de 20%. Em 2010, esse déficit vai para 40%”, afirma. Além da falta de armazéns, a logística de exportação é outra preocupação do agronegócio, com a falta de investimentos em ampliação de capacidade no porto de Paranaguá. Continue lendo